June 30, 2015
0 comments

Get Ready for PLD Sessions at ATA56

Mirna Soares (Member of the Leadership Council)

ata 56As you know, we are coming close to the 56th ATA Annual Conference, which this year will be held from November 4 to 7, 2015, in sunny Miami.

The Portuguese Language Division is proud to announce that, once again, we have a Distinguished Speaker. Israel Souza, Jr., is a translator and interpreter for the Brazilian Army and has had the unique experience of working in a United Nations mission in Haiti.

We also have a great mix of veterans and newcomers on our roster of speakers. Amanda Morris, Érika Lessa, Manuela Sampaio and Maria Helena Brenner-Kelly will be debuting as ATA speakers with some interesting topics, while Giovanna Lester, Marsel de Souza, Naomi Sutcliffe, Fernanda Silva, and João Vicente de Paulo will be treating us to their long-time knowledge and experience. As you’ll see, we have subjects relevant to translators and interpreters alike.

Below is a list of the ten presentations specific to the PLD.

  • P-1: The Role of Translation and Interpreting in the United Nations Peace Missions
    Israel Souza Jr.
  • P-2: Tough Guys Also Translate: United Nations Peace Mission in Haiti
    Israel Souza Jr.
  • P-3: ANACpedia: Online Dictionaries ― Aviation Terminology in Portuguese, English, and Spanish
    Fernanda Silva
  • P-4: An Overview of the Interpreting Profession
    Giovanna Lester
  • P-5: Commas, Parentheses, and Ellipses: Where They Go and How They Work
    Amanda Morris
  • P-6: Portuguese ↔ English Contract Terminology and Concepts, Part II
    Marsel de Souza and Naomi Sutcliffe de Moraes
  • P-7: “Hardening” Your Information Technology Translation
    Maria Helena Brenner-Kelly
  • P-8: Are You an Engaged Pivot?
    Erika Lessa
  • P-9: Brazilian Tax Law: Understanding and Translating the Alphabet Soup
    Manuela Sampaio
  • P-10: Making Financese and Economese Sing
    João Vicente de Paulo Júnior

Hang on while we find out more about PLD members speaking under other categories. If you are a speaker, you can help by shooting us an e-mail (ata.pld@gmail.com) with your name and the title of your session.

If you haven’t already, start making plans for Miami!

 

June 25, 2015
0 comments

More Than Just a Voice

Photo Credit: DeathToTheStockPhoto.com/

Photo Credit: DeathToTheStockPhoto.com/

This & That ― Vignettes of a Professional Journey
a column by Ines Bojlesen

A cozy New Year’s evening at home was interrupted by a phone call. “Please help, this is an emergency!” Suddenly my living room became an extension of a dispatch room. The interpreting agency connected me with the U.S. Coast Guard in Norfolk, Virginia, which had received a distress signal via satellite from a boat sailing along the northern coast of São Paulo. They mentioned the term EPIRB, and, as I repeated it aloud, my husband quickly wrote on a piece of paper, “Emergency Position Indicating Radio Beacon—serious emergency, boat in real trouble, capsized, or sinking.”

I spent the next hour interpreting for the Coast Guard in Virgina and for the staff of the marina where the boat had departed. The staff had seen the boat leave but were unable to establish radio contact. The Coast Guard made several attempts to reach the Brazilian Navy, but at 2 a.m., no offices answered the calls. I was surprised when, later in the morning, the agency called me again with the Coast Guard on the line, having asked for me. The officer wanted to let me know they had contacted the U.S. Embassy in Brasilia and, after repeated attempts, had finally succeeded in alerting the Brazilian Navy. They also told me the boat and crew had arrived safely in Rio, after a near-death experience during a storm that hit them.

Another time, the phone rang at four in the morning. Automatically I put my glasses on, grabbed my notebook and answered the call. An emergency room needed my help interpreting for a Brazilian man who being treated. The doctors asked a couple of hurried questions, answered by a very weak voice, when suddenly I heard a gasp and silence. After a while, a nurse told me the call was over. Less than an hour later, the phone rang again; this time I had to interpret for the doctor as he explained to the man’s wife and children that their loved one had not survived a heart attack. Needless to say, I could not go back to sleep when the call was over. I kept thinking of the feeble person I had helped, feeling comforted a bit to know that at least he had been able to communicate and hear his own language before passing away.

Oh, I’ve had happy interpreting calls as well: hearing mothers deliver their babies and the infants’ first cries, having to wipe away my tears of joy as the nurse wiped away the mothers’. I’ve also interpreted for 911 calls of people being rescued from a burning car. And there were the “geek” calls, computer jargon galore, making me wonder if they needed me at all!

For seven years, telephone interpreting was part of my daily life. It was practically a 24/7 commitment. I needed to work in a sound-proof environment, use top-quality equipment, be ready to answer the phone at the first ring, always interpret in the first person, and be prepared for any and all subject areas. Calls could take less than one minute or a couple of hours.

Telephone interpreting is a highly demanding job. Even if you work on a log in/log out basis, an agency in desperate need will call you regardless of the time at night or of the day of the week. You could be in the middle of your Thanksgiving dinner and receive a frantic call, since no one else was available.

You need to use the best telephone equipment available on the market. I had a wireless headset with noise cancellation and a mute button. I surrounded my workstation with dictionaries, laminated sheets of the human body drawings, and whatever helpful material I could reach at a stretch. My husband and son knew they had to fall silent if I received a call while they were in the room. They would quietly leave, taking our parrot with them.

I find that telephone interpreting is a largely unrecognized segment of the interpreting profession. More than in any other circumstance of the interpreting profession, telephone interpreters are perceived as only a voice, a number. They are constantly monitored for quality, exposed to extremely stressful situations without prior notice, and need to perform to perfection. Compensation is not commensurate with the level of expertise, flexibility and dedication required.

I salute the small army of women and men who take on this challenge. Your voices broadcasted across states and countries to help people, companies and governments carry on with their lives and business. I hope you feel as needed as I did during those seven years. Your work matters; you make a difference. When you hang up, the person saved from a burning car will always remember your soothing voice helping with communications. The mother delivering the baby will be thankful that you were there with her, among doctors and nurses who did not speak her language.

Telephone interpreters are indeed more than just a voice.

June 17, 2015
0 comments

Tradusa ― Encontro de Tradutores Especializados na Área de Saúde

tradusa

Maria Inês Corrêa Nascimento

Nos dias 22 e 23 de maio, aconteceu o Tradusa – Encontro de Tradutores Especializados na Área de Saúde, que reuniu tradutores, estudantes e profissionais especializados em tradução médica. Foi o primeiro encontro especificamente organizado para tradutores na área de ciências biológicas.

Várias palestras, sorteios e a oportunidade de um excelente networking fizeram do evento um sucesso entre os tradutores. O encontro foi promovido pelo grupo Tradutores/Saúde, criado e administrado por Cátia Franco de Santana e Samantha Abreu, e ocorreu no Instituto Phorte Educação em São Paulo.

O primeiro dia do evento foi aberto pela palestra da Dra. Ana Julia Perrotti-Garcia (associada à ATA), que discorreu sobre erros frequentes na tradução de textos de odontologia. Ela falou sobre os principais problemas e desafios terminológicos da tradução de odontologia, como polissemia, contexto, designação de processos, registro, localização e falsos cognatos.

Photo Credit: Adriana de Araujo Sobota

Ana Iaria falou sobre os elementos de contratos Photo Credit: Adriana de Araujo Sobota

Em seguida, Ana Iaria (associada à ATA com direito de voto) explicou em sua palestra a relação entre contratos e remédios, detalhando os diferentes tipos de contratos, acordos, NDAs e demais instrumentos legais por vezes envolvidos na tradução médica, principalmente em se tratando da Bioética.

A terceira palestrante do dia, Maria Célia Ramos Bellenzani, voltou-se para as peculiaridades da tradução técnica em medicina veterinária e zootecnia, atentando para a existência de poucos profissionais qualificados na área. Ela detalhou a anatomia animal em relação à anatomia dos seres humanos, aconselhando os tradutores a estarem sempre atentos a uma pesquisa focada e atenta e à consulta a profissionais da área.

Em seguida, Juliana Samel (associada à ATA com direito de voto) apresentou sua palestra sobre terminologia médica, apontando onde pesquisar, quais as fontes de pesquisa e como deve ser a atualização do tradutor na área de saúde. Ela destacou, entre outros pontos, a importância de se observar o público-alvo da tradução, o registro dos textos médicos, a avaliação da qualidade das fontes de informação e as diversas fontes de pesquisa confiáveis.

Photo Credit: William Cassemiro

Val Ivonica deu uma aula de química Photo Credit: William Cassemiro

Val Ivonica veio em seguida com sua palestra “Quimiquês for Dummies”, na qual explicou os conceitos básicos da química e a formação de compostos tão frequentes nos textos médicos, exemplificando tudo com vários exercícios para verificar a compreensão dos presentes sobre os conceitos apresentados.

A interpretação em cenários médicos foi o tema da apresentação de Patrícia Gimenez Camargo, que fez um paralelo da situação da interpretação em contextos médicos no Brasil e nos Estados Unidos. Ela explicou a formação desses profissionais e os problemas da profissionalização, como ausência de intérpretes médicos qualificados e a necessidade crescente da formação de profissionais nessa área para atuarem em hospitais e na comunidade. Os métodos de interpretação em vários ambientes de saúde também foram discutidos.

Fechando o primeiro dia do evento, Tracy Smith Miyake (associada à ATA com direito de voto) falou sobre a versão na área de ciências biológicas, seus métodos e suas ferramentas. Ela apontou para a demanda crescente desses serviços e para a importância de o tradutor saber quem é o leitor final e como falar com ele. Para tanto, Tracy acredita ser fundamental o uso de guias e manuais de estilo, o bom conhecimento e uma boa redação de textos científicos na língua de destino, bem como a revisão final por um tradutor da língua de destino.

O segundo dia do Tradusa, mais voltado para palestras de conhecimentos específicos para o tradutor na área de saúde e uma mesa-redonda, começou com a palestra de Larissa Pugliese de Siqueira sobre tipos e fases de pesquisa clínica. Ela explicou o que é uma pesquisa clínica, detalhou os processos envolvidos em cada fase, os objetivos e as diversas etapas, destacando os órgãos ligados à saúde e a nomenclatura em pesquisa clínica.

Samantha Abreu veio em seguida levar todos a uma viagem ao mundo dos exames laboratoriais, do hemograma ao western blot. Ela explicou cada termo específico que encontramos nos diversos tipos de exames e esclareceu diversos erros terminológicos.

Debate com Ana Julia Perrotti-Garcia e Maria Inês Corrêa do Nascimento Photo Credit: Val Ivonica

Debate com (esq. para dir.) Suzana Gontijo, Ana Julia Perrotti-Garcia e Maria Inês Corrêa do Nascimento, moderado por Catia Santana (de pé)
Photo Credit: Val Ivonica

Em seguida, fiz parte da mesa-redonda que também reuniu a Dra. Ana Julia Perrotti-Garcia e Suzana Gontijo, tradutoras da área de saúde, cada qual em sua especialidade. Apresentamos um panorama do mercado de tradução médica no Brasil, discutindo com a plateia a atual situação desse mercado em seus diversos nichos (tradução médica editorial, interpretação, artigos científicos etc.), os problemas de cada área e as perspectivas para o futuro. Algumas conclusões unânimes foram a necessidade de formação e especialização do tradutor médico, atualização constante, pesquisa focada e segura e o extremo zelo na execução da tradução, buscando sempre oferecer o melhor trabalho com a melhor tarifa possível e em tempo razoável para tradutor e cliente. A autovalorização do tradutor médico também foi debatida.

Fábio Henrique Soares de Santana apresentou em seguida os conceitos básicos do eletrocardiograma (ECG), explicando a anatomia e o sistema de condução do coração. Ele ilustrou o posicionamento de eletrodos, derivações e interpretação de ondas impressas ―conhecimentos fundamentais para o tradutor frente a um texto sobre esse exame.

Patrícia Rocha ofereceu um panorama sobre a validação linguística de questionários médicos, diários, escalas e demais instrumentos envolvidos nos desfechos relatados pelos pacientes, contando sobre o seu trabalho na área, os desafios superados e as lições aprendidas para os tradutores que desejam trabalhar com essas ferramentas. Ela destacou a adaptação linguística e cultural dos instrumentos traduzidos e o conjunto de etapas da validação linguística que o tradutor deve seguir nessa tarefa, a fim de garantir o pleno entendimento do público-alvo e o uso eficaz desses instrumentos pelo cliente.

Fechando o evento, a palestra feita por Joana Fonseca Correia sobre conceitos e terminologia da implantologia ilustrou para os presentes o que é implante dentário, o planejamento do implante, estruturas anatômicas envolvidas, tipos de implantes dentários e próteses, com a apresentação de um vídeo breve destacando as técnicas.

Por fim, o encerramento contou com sorteios e um coquetel, no qual os participantes puderam trocar contatos, impressões e anseios.

O Tradusa foi um sucesso absoluto, com palestras de alto nível, discussões interessantes, e certamente é um evento em tradução médica que veio para ficar!

As organizadoras (esq. para dir.): Catia Santana, Joana Fonseca Correia, Samantha Abreu e Vanessa Faia Photo credit: Catia Santana

As organizadoras (esq. para dir.): Catia Santana, Joana Fonseca Correia, Samantha Abreu e Vanessa Faia
Photo credit: Catia Santana


 

minMaria Inês Corrêa Nascimento, bacharel em Tradução Bilíngue pela PUC-RJ, iniciou a carreira como revisora e tradutora em empresas como Price Waterhouse e Ernst & Young e, como profissional autônoma, presta serviços de tradução (inglês > português) para empresas na área de Oil & Gas e RH. A partir de 1997, passou a trabalhar exclusivamente na área de tradução médica, traduzindo artigos científicos de periódicos como Jama, além de inúmeros livros de medicina para editoras especializadas. É associada à ATA e faz parte da PLD e da Medical Division.